Max Bruch: Concerto violino n1

Max Bruch (1838 — 1920) foi um compositor e maestro judeu, de origem alemã, da época romântica da música clássica.
Seu pai era inspetor de polícia e sua mãe era uma soprano. Desde pequeno Bruch já mostrava que tinha talento para a música e ele recebeu educação musical. Por esta razão, aos 11 anos ele já tinha composto algumas obras que eram interpretadas ao público. Em 1852, quando tinha somente 16 anos de idade, compôs sua primeira sinfonia e um quarteto para cordas, que lhe valeu um prêmio da Fundação Mozart em Frankfurt e uma bolsa de estudos.

O ano seguinte, Bruch iniciou seus estudos musicais em Frankfurt, que continuou mais tarde em Leipzig. Após cinco anos sua formação terminou e trabalhou durante três anos em Colônia como professor de música. Entre 1861 e 1865 fêz numerosas viagems pela Alemanha, Áustria, França e Bélgica, onde deu recitais como maestro. No fim desse período aceitou o cargo de diretor de música em Coblenza (onde ficou até 1867) e mais tarde de maestro na Turíngia.
Em 1870, Bruch estabeleceu-se em Berlim, aonde retornou ao trabalho como o professor de música. Em 1880, aos 42 anos, se casou-se com uma Cantora, com quem teve quatro filhos. Neste mesmo ano foi nomeado diretor da Orquestra Filarmônica de Liverpool, na Inglaterra, onde permanesceu por três anos. Em seguida dirigiu a Orquestra da cidade de Breslau (já na Alemanha), até que em 1891 se tornou diretor da Escola de Composição de Berlim. Nos anos seguintes, Bruch é reconhecido em repetidas ocasiões. Recebe o título de “Professor Honoris Causa” pelas Universidades de Cambridge e Berlim. Em Berlim, ingressa na Cadademia de Belas Artes como o membro da Direção.
Nos dez últimos anos de sua vida, Bruch renuncia a todas as suas funções e se dedica inteiramente à composição. Entre suas obras mais importantes estão os seus concertos para violino, o qual o “Concerto n.º 1 em Sol menor para Violino e o Orquestra” continua tendo no ainda hoje uma aceitação extraordinária, comparado ao Concerto para o violino de Mendelssohn. Também são muito conhecidas hoje em dia sua “Fantasia Escocesa”, para Violino e Orquestra, as Danças Suecas e suas Variações sobre Kol Nidrei, para o Violoncelo e Orquestra, baseadas nas melodías judaicas. Bruch compôs muitas outras obras que foram populares em seu tempo, como suas três Sinfonias, suas Óperas (entre elas especialmente Loreley) e seus Corais e Cantatas.
Max Bruch faleceu em 1920 em Berlim, aos 82 anos de idade. Está sepultado no Alter St.-Matthäus-Kirchhof Berlin.

1° Movimento

2° e 3° Movimento

Deixe uma resposta